domingo, 31 de março de 2013


“Mantenha-se na consciência de que você é o Atma imortal - santo, puro e Divino. Isto lhe dará coragem inabalável e força. Então, você desenvolverá amor e respeito mútuos. Tolere todos os tipos de pessoas e opiniões, todas as atitudes e peculiaridades. A escola, sua casa, seu local de trabalho e sociedade - todos esses são campos de treinamento para a tolerância. Cada um deve estar ciente de seus deveres e direitos. Todas as relações devem ser baseadas no amor, e não medo. Somente a atmosfera de amor pode garantir cooperação feliz e concórdia. Acima de tudo, seja bom, honesto e bem-educado. Isso tornará seus títulos e realizações mais desejáveis e valiosos.”
Sathya Sai Baba


quarta-feira, 27 de março de 2013

"PERGUNTA: - Uma vez que a Lei Cármica tem por objetivo retificar todos os desvios psíquicos nocivos às almas, poderíeis dizer-nos quais são os recursos de que a mesma se serve para enfraquecer a intransigência dos fanatismos religiosos?

RAMATIS: - É a dor, sem dúvida, o mais eficiente recurso para modificar as criaturas excessivamente fanáticas e até impiedosas para com os esforços religiosos alheios, algumas das quais, se lhes fosse possível agir à vontade, exterminariam da face da Terra todos aqueles que lhes opusessem qualquer conceito adverso! Mas os mentores espirituais possuem recursos eficazes para dobrar-lhes a cerviz orgulhosa, encaminhando-as, pouco a pouco, para a prova dolorosa que lhes muda a têmpera demasiadamente presunçosa. E, quando lhes chega a dor, sob a orientação superior, então começam a lhes falhar todos os recursos de sua religião, credo ou doutrina. Então, malogra o médico da família, a casa de saúde, a intervenção cirúrgica ou a estação de águas; confundem-se os exames de laboratório, dificulta-se o diagnóstico pela radiografia ou se tornam inócuos os mais famosos medicamentos modernos!

Não raro a técnica do alto encaminha então para junto do enfermo, às vezes já desenganado, o simpatizante de qualquer seita ou movimento espiritualista adverso e detestado e que, munido de poderes incomuns, consegue curar o paciente! Quebra-se então o círculo de ferro do dogmatismo conservador e feroz, pois a saúde ou a vida, malgrado serem devolvidas por mãos de pessoas malvistas, tornam-se valiosos elementos para remover as fronteiras presunçosas do fanatismo tolo! O acontecimento se transforma num jato de água fria sobre a fogueira do ódio religioso, que ainda é muito comum entre homens ignorantes de que Deus é um só e os seus filhos são gerados da mesma essência imortal.

Fonte: Fisiologia da Alma - Ramatis
            Obra psicografada por Hercílio Maes

segunda-feira, 25 de março de 2013


“Os Kauravas tinham todos os instrumentos para a vitória - riqueza, toneladas de armas, aliados e ódio fanático por seus inimigos. No entanto, eles foram destruídos, pois nunca deram atenção aos valores mais nobres da Retidão. Não se equiparam com a Graça de Deus, que é reservada em abundância àqueles que trilham o caminho da humildade e da paz. Também não aceitaram O Divino como seu cocheiro - colocaram sua fé em coisas menores! O que é verdadeiramente necessário para a vitória não é a mera coleção de recursos, mas fé e firmeza. O vendaval ajuda a endurecer o tronco da árvore. Igualmente, calamidades devem aprofundar sua coragem, ampliar sua fé e intensificar suas práticas espirituais. Com tempo bom, uma atitude despreocupada é perdoável. Mas no tempo inclemente, toda precaução é de grande valor.” Sathya Sai Baba

domingo, 24 de março de 2013


“O sistema de educação, que promove uma atitude de desprezo pelo aprendizado que não rende benefícios monetários, é o grande responsável pela negligência às grandes escrituras e aos santos. Outra causa é a queda geral nos padrões morais de vida. Quando todos estão deslizando para o caminho fácil da frivolidade, aqueles que a desaconselham e avisam sobre o desastre inevitável são ignorados e escarnecidos. Afundados na busca de prazeres e recreação barata, as pessoas ensurdecem-se aos conselhos dos anciãos e ao chamado do sublime. Escrituras são como sinais de trânsito em um cruzamento movimentado. Se os sinais são removidos, a viagem torna-se lenta e difícil, cheia de acidentes e caos. Não podemos nos dar ao luxo de destruí-los. Temos que restaurá-los para o bem-estar da humanidade.”
Sathya Sai Baba

sábado, 23 de março de 2013

A prática torna perfeito

"Certa vez, quando eu estava dando uma aula sobre a vida e a morte, um swami entrou calmamente e sentou-se com os meus alunos. Julgando tratar-se de um principiante, dispensei-lhe o acolhimento que dispensava aos outros. Mas fiquei aborrecido vendo-o apenas sorrir, sorrir sempre, ao passo que os outros, muito conscienciosamente, tomavam notas. Por fim perguntei:

- Estás prestando atenção ao que digo?

- Estás apenas falando, - disse ele, - mas eu posso fazer uma demonstração do domínio sobre a vida e a morte. Traze-me uma formiga.

Trouxeram-lhe um formigão. Ele cortou-o em três pedaços e separou-os. A seguir, fechou os olhos e quedou sentado, imóvel. Passado um momento, as três partes se moveram uma na direção da outra. Juntaram-se e a formiga rediviva saiu correndo dali. Eu sabia que não era hipnose, nem coisa alguma parecida.

Senti-me muio pequeno diante daquele swami. E fiquei enleado perante meus alunos porque conhecia os textos dos livros sagrados, mas não tinha uma compreensão de primeira mão, nem o domínio da vida e da morte.

- Onde aprendeste isto? - perguntei-lhe.
- Teu mestre ensinou-me, - respondeu ele.

Ouvindo-o, encolerizei-me contra meu mestre e saí imediatamente à sua procura. Ao ver-me, ele me perguntou:

- Que aconteceu? Por que estás permitindo, mais uma vez, que a cólera te domine? Continuas escravo das tuas violentas emoções.

Eu disse-lhe:

- Ensinais aos outros coisas que não me ensinais. Por que?

- Ele olhou para mim e respondeu:

- Ensinei-te muitas coisas, mas não as praticas. Não é minha culpa! Todas essas proezas dependem de prática, e não só do seu conhecimento verbal. Se souberes tudo sobre piano mas não praticares, jamais criarás música. O conhecimento é inútil sem a prática. É mera informação. A prática proporciona a experiência direta, a única que constitui conhecimento válido.

Fonte: Vivendo com os Mestres do Himalaia
            Experiências Espirituais do Swami rama

quinta-feira, 21 de março de 2013

Onde quer que você esteja, esteja por inteiro

"Você está sofrendo de estresse? Pensa tanto no futuro que o presente está reduzido a um meio para chegar lá? O estresse é causado pelo estar "aqui" embora se deseje estar "lá", ou por estar no presente desejando estar no futuro. É uma divisão que corta a pessoa por dentro.

O passado toma uma grande parte da sua atenção? Você frequentemente fala e pensa sobre ele, tanto de forma positiva quanto negativa? As grandes coisas que você conquistou, suas experiências e aventuras, ou coisas horrorosas que lhe aconteceram, ou talvez que você fez a alguém?

Será que seus processos de pensamento estão gerando culpa, orgulho, ressentimento, raiva, arrependimento ou autopiedade? Então, você está não só dando mais força ao falso eu interior como também ajudando a acelerar o processo de envelhecimento do seu corpo através da criação de um acúmulo de passado na sua psique. Constate isso observando à sua volta aquelas pessoas que têm uma forte tendência para se apegar ao passado.

MORRA PARA O PASSADO A CADA INSTANTE. Você não precisa dele. Refira-se a ele apenas quando totalmente relevante para o presente. Sinta o poder do momento presente e a plenitude do Ser. Sinta a sua presença..."

Fonte: Praticando o Poder do Agora
           Eckhart Tolle

quarta-feira, 20 de março de 2013


“Você deve ser humilde, mas forte para resistir à tentação. Não ceda como covarde às insinuações maliciosas dos sentidos. Não gaste todo o seu tempo na tarefa de coletar informações e adquirir competências que lhe darão uma renda da qual se pode viver. Ele também deve ser usado para adquirir a arte de estar contente e calmo, sereno e corajoso. Também cultive uma sede ardente de conhecer a verdade do mundo e de si próprio. Suas palavras devem ser como mel. Seu coração deve ser tão suave como manteiga. Sua visão deve ser como a luz, iluminando, não confundindo. Seja como o juiz no campo de futebol, assistindo ao jogo, arbitrando o jogo conforme as regras estabelecidas, não se afetando pelo sucesso ou fracasso desta ou daquela equipe.”  Sathya Sai Baba

domingo, 17 de março de 2013




 DALAI LAMA
O que mais me surpreende na humanidade. "Os homens perdem a sua SÁUDE para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. E vive como se nunca fossem morrer...e morrem como se nunca tivesse vivido







Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.
Platão

quinta-feira, 14 de março de 2013


“O maior defeito hoje é a ausência de autoinvestigação (Atma Vichara), que é a raiz de todo o desassossego. Se você anseia saber a verdade sobre si mesmo, então nunca se perderá. Todos os potes são feitos de barro, todos os enfeites de ouro e todas as roupas de fios. Aqui, mesmo que veja tanta diversidade, existe uma unidade. A substância básica de tudo é o Ser Supremo (Brahman). Ele também é sua base! Assim como o fluxo de um rio é regulado pelos diques, e as águas de enchentes são direcionadas para o mar, assim também os Upanishads regulam e restringem os sentidos, a mente e o intelecto para ajudá-lo a alcançar o Divino e fundir o indivíduo no Absoluto. Esquadrinhar um mapa ou um guia não lhe dará sequer uma fração de alegria da visita real! Escrituras são somente mapas e guias. Aja em conformidade e experimente bem-aventurança.” Sathya Sai Baba

quarta-feira, 13 de março de 2013

Perder é ganhar

"Havia antigamente um swami que costumava hospedar-se em casa do discípulo. Toda a família do discípulo amava e reverenciava o swami, que era um exemplo de disciplina e um homem muito espiritual. Sempre se levantava antes do nascer do sol, tomava banho e ficava sentado, horas a fio meditando. Um dia, porém, de manhã bem cedo, quando ainda estava escuro, gritou:
- Ei, dai-me comida!
- Mas senhor, esta é a hora do vosso banho, - acudiu o discípulo.
O swami replicou:
- Dai-me comida assim mesmo. estou com fome!
Comeu e, a seguir, tomou banho. depois do banho, foi aliviar o ventre e, feito isso foi dormir.
Fez tudo às avessas e virou a casa de pernas para o ar. Disseram:
- Alguma coisa lhe aconteceu; ele ficou louco.
Disse a esposa:
- Nosso mestre é um homem maravilhoso. Devíamos ajudá-lo.
Por isso chamaram médicos e pediram-lhes:
- Não o pertubeis falando em medicina. Dizei, antes: "Queremos aprender convosco". Sede corteses, por favor.
Vieram os médicos e se houveram como discípulos, porque estavam sendo pagos para isso. Perguntaram:
- Gurudev, como estais passando?
Mas ele não respondeu. Julgaram-no em estado de coma, porque não se movia. Um deles examinou-lhe os olhos e neles não viu movimento. Outro descobriu que o pulso estava fraco. Um disse ao outro:
- Não creio que sobreviva.
Um terceiro médico sacou de um estetoscópio e, achando as batidas do coração decrescentes, anunciou:
- O coração está falhando.
A mulher da casa abriu a chorar porque sempre o considerava um pai espiritual.
Finalmente me pediram para ir vê-lo. Quando entrei no quarto, ele levantou-se e eu perguntei:
- Swamiji, que aconteceu?
- Não aconteceu nada, - retrucou ele. - Por que perguntas?
- Todos estão preocupados, - expliquei-lhe.
- Eu costumava meditar por dois motivos, - disse ele. - Mas hoje meus pais morreram e, como fiquei triste, não estou meditando.
Sua linguagem era inteiramente mística.
- Teus pais morreram? - tornei ei. - És um swami. Não tens nada com parentes.
- Não, não, - atalhou ele. - Tu também tens parentes. E quando morrerem, compreenderás. - Transcorrido um instante, prosseguiu: - A cólera era a minha mãe e o apego, meu pai. Ambos morreram, de sorte que não tenho nada que fazer. Agora não preciso fazer mais nada.
A meditação tornar-se-á vossa segunda natureza quando renunciardes ao apego, à cólera e ao orgulho. Não precisareis então tomar atitudes para meditar, pois toda a vossa vida será uma espécie de meditação."

Fonte: Vivendo os Mestres do Himalaia
           Experiências Espirituais do Swami Rama

terça-feira, 12 de março de 2013

"...PERGUNTA: -Podeis mencionar algum espírito que antecipasse a sua libertação cármica da Terra, em vez de continuar submetido exclusivamente à Lei de Causa e Efeito, embora esta também terminasse por libertá-lo do ciclo dos nascimentos físicos?

RAMATIS: - É Francisco de Assis um dos exemplos mais edificantes e inconfundíveis de libertação antecipada do seu carma físico pois, tendo nascido em berço rico e cercado de gente afortunada, vaidosa e aristocrata, preferiu repartir seus bens com os pobres e desfez-se de seus trajes de seda e de veludo para vestir a grosseira estamenha; e em lugar do cinto recamado de pedrarias e da vistosa espada do fidalgo, amarrou à cintura um cordão de cânhamo! Foi com o mais profundo sentimento de renúncia que ele aceitou a advertência evangélica do Cristo Jesus: "Não possuais ouro nem prata nem cobre em vossos cintos, nem alforjes, nem duas túnicas, nem calçado, nem báculo em que apoiar-vos..."

Sob tal resolução heróica, em que Francisco de Assis extinguiu de uma só vez o desejo e venceu o Maya - a grande ilusão da vida material - é óbvio que também cessou de gerar carma físico para o futuro, pois a sua vida, completamente devotada ao serviço amoroso a todos os seres e coisas do mundo, terminou por desatar-lhe os últimos laços de ligação às formas do mundo terráqueo.

Afastando-se do epicurismo das mesas, despido da vaidade e dos trajes fidalgos, indiferente aos pergaminhos e galardões do mundo físico, liberto do desejo sensual, rompeu os liames escravizantes do seu grilhão cármico e, pouco a pouco, isolou-se da disciplina retificadora do Carma do seu planeta.

Francisco de Assis não renunciara apenas ao seu presente, mas também efetuara a sua libertação das vidas físicas futuras, porquanto, tendo exterminado em si os desejos pelas coisas do mundo material e desistido de competir com os homens no seu mundo de formas ilusórias, embora ainda encarnado já vivia as condições exigidas para o equilíbrio e a sustentação vibratória nos planos paradisíacos do espírito!..."

Fonte: Fisiologia da Alma - Ramatis
                 Obra psicografada por Hercílio Maes

segunda-feira, 11 de março de 2013

Virtudes


"As trevas e a morte
Vêm como um ladrão",
Disse o Sublime Messias.
Mas de mim nada poderão roubar,
Pois as minhas riquezas,
Assim como as Dele,
Não são do mundo profano,
São virtudes divinas:

Compaixão por todos os seres,
Devoção ao Supremo Ser,
Amor por todas as formas de vida,
Discernimento do eterno,
Consciência divina.
Pastor das ovelhas do eterno presente,
Posso enumerar tantas virtudes!

O sublime Mestre semeou
Milhares de ensinamentos
Para colher bons frutos.
Eu também vim semear
E colher em Seu nome,
Porque é tempo de grande colheita.
A suprema força ilumina
A terra do Cruzeiro
E a Força é a eterna mensagem:
"Eu sou o Caminho, a Luz,
A Vida e a Verdade".

Fonte: Maha Gita Purusham do Bem-aventurado
            Sri Maha Krishna Swami

sexta-feira, 8 de março de 2013

Ser e iluminação


"Existe uma Vida Única, eterna e sempre presente, além das inúmeras formas de vida sujeitas ao nascimento e à morte. Muitas pessoas empregam a palavra Deus para descrevê-la, mas eu costumo chamá-la de Ser. Tanto "Deus" quanto "Ser" são palavras que não explicam nada. "Ser", entretanto, tem a vantagem de sugerir um conceito aberto. Não reduz o invisível infinito a uma entidade finita. É impossível formar uma imagem mental a esse respeito. Ninguém pode reinvindicar a posse exclusiva do Ser. É a sua essência, tão acessível como sentir a sua própria presença. Portanto, a distância é muito curta entre a palavra "Ser" e a vivência do Ser..."

Fonte: Praticando o poder do agora
            Eckhart Tolle

quarta-feira, 6 de março de 2013

"...Pergunta: - Alguns escritores afirmam que Jesus, embora fosse de admirável compostura moral, também se devotou ao amor carnal, próprio do mundo que habitava. Será isso verdade?

Ramatis: - Se Jesus houvesse casado e constituído um lar, a humanidade só teria recebido, com isso, benefícios novos, pois o Mestre lhe deixaria as mais sublimes lições da verdadeira compostura na família. Mesmo que tivesse alimentado algum amor mesmo platônico, nem por isso teria desvalorizado o seu absoluto sacrifício pelo homem terreno. Muitas criaturas solteiras e castas do vosso mundo, estão repletas de inveja, egoísmo, ciúmes e cobiça dos bens alheiros, vivendo sob feroz egocentrismo pessoal. São homens e mulheres concentrados exclusivamente em si mesmos, e que não raro recusam repartir o amor de seus corações orgulhosos com aqueles que não os podem recompensar com uma ventura completa. Para a Terra seria preferível, até, um Jesus dedicado ao amor carnal, mas que não fugisse ao sacrifício pela redenção espiritual da humanidade, a um Jesus isolado do mundo material e só interessado no seu exclusivo bem.

Sem dúvida, a rara beleza de Jesus teria acendido violentas paixões nos corações de muitas mulheres que andassem à cata de sensações novas, o que teria obrigado o Mestre a uma contínua vigilância, para não sucumbir aos impulsos instintivos da carne. Nunca faltou quem caluniasse a Jesus nas suas abençoadas peregrinações com os demais discípulos, acusando-o de fascinar as viúvas para herdar-lhes os bens a favor de uma causa ociosa, ou então de atrair jovens incáutas para a sua companhia, com finalidades inconfessáveis. Sob o domínio despótico dos romanos, e impulsionados pela natural debilidade humana, tanto os hebreus humildes como certos aristocratas e matronas da época falseavam os seus deveres conjugais; muitas jovens hebréas, formosas, preferiam a fartura do conquistador à pobreza honesta do conquistado. Aproveitando-se disso, os Espíritos das trevas vigiavam Jesus em todos os seus passos, e lhe armariam certamente as mais sedutoras ciladas, até entre a própria casta romana.

Fonte: Mensagens do Astral - Ramatis
           Obra psicografada por Hercílio Maes

terça-feira, 5 de março de 2013


NA ANTIGA GRÉCIA, SÓCRATES, FOI FAMOSO POR SUA SABEDORIA E PELO GRANDE RESPEITO QUE PROFESSAVA A TODOS E, TAMBÉM, PELA VIDA. UM DIA, ESTE GRANDE FILÓSOFO, ENCONTROU-SE COM UM CONHECIDO...
-  Sócrates, sabe o que escutei sobre teu amigo?
-  Espera um minuto, replicou Sócrates, antes que me diga qualquer coisa, quero que faças, um pequeno exame, que chamo de Triplo Filtro.
-  Triplo Filtro? Perguntou o outro, o que é isso?
-  Correto, continuou Sócrates. Antes que me fale qualquer coisa sobre meu amigo, ou sobre qualquer pessoa, pode ser uma boa ideia filtrar três vezes o que vai dizer. Por isso, o chamo de exame do “Triplo Filtro”!
-  O PRIMEIRO FILTRO É O DA VERDADE: Você está absolutamente seguro de que o que vai dizer é certo?
-  Não, disse o homem, realmente só escutei sobre isso.
-  Bem, disse Sócrates, então você realmente não sabe se é certo ou não! Agora me permita aplicar próximo filtro.
-  O SEGUNDO FILTRO É O DA BONDADE: É algo bom o que me vai dizer de meu amigo?
-  Não, pelo contrário!…
-  Então, deseja-me dizer algo ruim dele, porém não está seguro de que seja certo. E, mesmo que, agora quisesse escutá-lo, ainda não poderia, pois falta ainda um último filtro.
-  O TERCEIRO FILTRO É O DA UTILIDADE: Me servirá de algo, saber o que vai dizer do meu amigo?
-  Não, na verdade não!
-  Bem, concluiu Sócrates... Se o que me deseja dizer não é certo, nem bom e tão pouco me será útil, porque eu iria querer saber?








"... Um Mestre é alguém que meditou apenas em Deus, atirou toda a sua personalidade no mar de Deus, afogou-a e esqueceu-a ali, até tornar-se apenas o instrumento de Deus e quando sua boca se abre fala palavras de Deus sem esforço nem planejamento prévio; e quando ergue a mão, Deus flui novamente através dela, realizando um milagre.

Não leve em grande consideração os fenômenos físicos e coisas que tais. Eles são inumeráveis; e uma vez estabelecida a fé no coração daquele que busca, esses fenômenos terão cumprido suas finalidades. Clarividência, clariaudiência e coisas semelhantes não valem a pena, quando uma iluminação tão maior e uma paz tão maior são possíveis sem elas e não com elas. O Mestre assume tais poderes como uma forma de auto-sacrifício!

A idéia de que um Mestre seja alguém que desenvolveu poderes sobre forças e sentidos ocultos através de longa prática, orações ou coisa parecida, é absolutamente falsa. Mestre algum jamais deu a mínima importância aos poderes ocultos, pois não necessita deles na vida cotidiana..."

Fonte: Ramana Maharshi e o caminho do autoconhecimento
           Arthur Osborne

domingo, 3 de março de 2013



“O mundo está se erguendo sobre a fundação arenosa do mundo sensorial. Como o macaco que não pode retirar sua mão do pote de pescoço estreito, pois ele primeiro pegou e segurou um punhado de amendoins que o pote continha, as pessoas estão sofrendo hoje. Elas não estão dispostas a se libertarem da forte influência sobre o punhado de coisas agradáveis que conquistaram do mundo. Quando as pessoas não colocam fé no Eu, mas somente perseguem seus sentidos, o sinal de perigo é levantado! As pessoas estão presas à crença errada de que o acúmulo de bens materiais os dotará de alegria e paz. Apenas o Amor Divino pode lhes dar a alegria eterna. Somente o Amor Divino removerá raiva, inveja e ódio.” 
Sathya Sai Baba