sábado, 28 de novembro de 2009

A EXCELÊNCIA DA SABEDORIA

O coração do sábio se inclina para o lado direito, mas o do estulto, para o da esquerda.

Quando o tolo vai pelo caminho, falta-lhe o entendimento; e, assim, a todos mostra o que é estulto.

Levantando-se contra ti a indignação do governador, não deixes o teu lugar, porque o ânimo sereno acalma grandes ofensores.

Ainda há um mal que vi debaixo do sol, erro que procede do governador:

O tolo posto em grandes alturas, mas os ricos assentados em lugar baixo.

Vi servos a cavalo e príncipes andando a pé como servos sobre a terra.

Quem abre uma cova nela cairá, e quem rompe um muro, mordê-lo-á uma cobra.

Quem arranca pedra será maltratado por elas, e o que racha lenha expôe-se ao perigo.

Se o ferro está embotado, e não se lhe afia a corte, é preciso redobrar a força; mas a sabedoria resolve com bom êxito.

Se a cobra morder antes de estar encantada, não há vantagem no encantador.

Nas palavras do sábio há favor, mas ao tolo os seus lábios devoram.

As primeiras palavras da boca do tolo são estultícia, e as ultimas, loucura perversa.

O estulto multiplica as palavras, ainda que o homem não sabe o que sucederá; e quem lhe manifestará o que será depois dele?

O trabalho do tolo o fatiga, pois nem sabe ir a cidade.

Ai de ti, ó terra cujo rei é criança e cujos príncipes se banqueteiam já de manhã.

Ditosa, tu, ó terra cujo o rei é filho de nobres e cujos príncipes se sentam à mesa a seu tempo para refazerem as forças e não para bebedice.

Pela muita preguiça desaba o teto, e pela frouxidão das mãos goteja a casa.

O festim faz-se para rir, o vinho alegra a vida, e o dinheiro atende a tudo.

Nem no teu pensamento amaldiçoes o rei, nem tão pouco no mais interior do teu quarto, o rico; porque as aves dos céus poderiam levantar a tua voz, e o que tem asas daria notícia das tuas palavras.






Eclesiastes 10

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

0 PROCEDIMENTO PRUDENTE DO SÁBIO










Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás.
Reparte com sete e ainda com oito, porque não sabes que mal sobrevirá à terra.

Estando as nuvens cheias, derramam aguaceiro sobre a terra; caindo a árvore para o sul ou para o norte, no lugar em que cair, aí ficará.

Quem somente observa o vento nunca semeará, e o que olha para as nuvens nunca segará.
Assim como tu não sabes qual o caminho do vento, nem como se formam os ossos no ventre da mulher grávida, assim também não sabes as obras de Deus, que faz todas as coisas.

Semeia pela manhã a tua semente e à tarde não repouses a mão, porque não sebes qual prosperará; se esta, se aquela ou se ambas igualmente serão boas.

Doce é a luz, e agradável aos olhos, ver o sol.

Ainda que o homem viva muitos anos, regozije-se em todos eles; contudo, deve lembrar-se de que há dias de trevas, porque serão muitos. Tudo quanto sucede é vaidade.




Eclesiastes 11

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

O EGO


Se tens por ti mesmo estima, conserva-te atento. O sábio é vigilante um terço da sua vida.

Começa por te estabelecer a ti mesmo no Caminho, só então poderás instruir os outros. Assim o sábio evita censuras.

Se alguém se tornar perfeito, igual aos conselhos dados, então, bem controlados, em verdade pode a outrem dirigir. Difícil realmente, é o autocontrole.

O ego é o mestre do eu. Cada um é seu próprio mestre e refúgio, quem outro poderia ser? O completo domínio de si mesmo é o único refúgio difícil de lograr.

A má ação praticada pelo *eu*, produto do *eu* tritura o insensato, como o diamante as demais pedras.

Aquele que muitas más ações pratica assemelha-se à parasita mâluvâ, que, emaranhando a árvore sâla, a si mesmo causa o mal que lhe desejaria seu pior inimigo.

Fácil é fazer o que é nocivo e errado para nós. Difícil, na verdade, é fazer o que é certo e benéfico.

O insensato, seguindo ideias errôneas, rejeitando os preceitos dos sábios, dos Nobres Seres, dos Arahants, assemelha-se ao fruto da árvore katthaka, que para autodestruição amadurece.

Quando o homem age mal, é por si mesmo que é impuro; quando o homem age bem, também por si mesmo é puro.Os estados de pureza ou impureza são criados pelo próprio homem, nada podendo ser feito para que um indivíduo purifique um outro.

Percebendo claramente o Caminho, não negligencies; continua nele, vigilante, mesmo que de grande valor te pareçam outras vias.



Dhammapada
Caminho da Lei.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

QUAL É A NATUREZA EXATA DA RELIGIÃO?

A religião pertence à mente superior da humanidade. É o esforço da mente superior do homem de se aproximar, na medida de sua capacidade, de algo além dela, de alguma coisa a que a humanidede dá o nome de Deus ou Espírito, Verdade ou Fé, Conhecimento ou Infinito, uma espécie de Absoluto que a mente humana não pode alcançar e mesmo assim tenta fazê-lo. A religião pode ser divina na sua origem primária; na sua natureza presente não é divina, mas humana. Na verdade, melhor seria falar de religiões do que de religião, porque as religiões feitas pelos homens são inúmeras. Estas diferentes religiões, mesmo que não tenha tido a mesma origem, foram feitas a maior parte delas, do mesmo modo. Sabemos como a religião cristã começou a existir. Não foi certamente Jesus o responsável pelo que chamamos Cristianismo, mas alguns homens eruditos e muito engenhosos que uniram seus esforços e a moldaram tal qual a vemos. Não havia nada de divino no modo como foi formada, e também não há de divino no modo como funciona. E contudo o pretexto ou ocasião para sua formação foi, sem dúvida, alguma revelação do que poderia se chamar de Ser Divino, um Ser que veio de algum lugar, trazendo de uma região mais alta um certo Conhecimento e Verdade para a Terra. Ele veio e sofreu por sua verdade; mas muito poucos entenderam o que ele disse, muito poucos se interessaram em achar e conservar-se fiéis à Verdade pela qual ele sofreu. Buda retirou-se do mundo, sentou-se em meditação e descobriu um caminho que libertava o homem do sofrimento e mesérias terrestres,de toda a doença e morte, desejo e fome. Ele viu uma verdade que se esforçou em comunicar aos discípulos e seguidores, que se reuniram à sua volta. Masa mesmo antes dele deixar a forma física, seu ensinamento já começara a ser deformado e distorcido. Foi apenas depois de seu desaparecimento que o Budismo se firmou como uma religião plenamente desenvolvida, baseada no que se supõe ter sido dito por Buda e na suposta significação de seus enunciados.Mas bem cedo também, porque os discípulos e os discípulos dos discípulos não podiam concordar com o que o Mestre tinha dito ou queria significar com suas declarações, começou aparecer um batalhão de seitas e subseitas no corpo da religião-mãe: um caminho do Sul, um caminho do Norte, um caminho do extremo-Oriente, cada um proclamando ser o único, o original, a imaculada doutrina de Buda.



Conversas com a Mãe
Sri Aurobindo Ashram